• Dra. Elaine Cristina Lima

Cefaleias e Enxaqueca: Preste Atenção nos seus Sinais e Sintomas E Ajude o Médico a realizar o diagn


Cefaleia não é um diagnóstico e sim um sintoma. Vem do grego, e é o mesmo que “dor de cabeça”. É o segundo sintoma mais comum da medicina.

De acordo com a “Classificação Internacional de Cefaleia”, temos mais de trezentas causas para a mesma. Logo, não é tarefa fácil chegar-se a um diagnóstico correto sem uma minuciosa investigação.

Diagnóstico

O diagnóstico é o conjunto de sinais e sintomas que configuram uma doença bem estabelecida.

Por exemplo: ENXAQUECA é uma doença bem estabelecida. É o segundo tipo mais comum de dor de cabeça primária (que é uma doença por si só, sem nenhuma outra causa).

Para chegar a este diagnóstico, o Médico precisa de uma série de informações:

  • Há quanto tempo o indivíduo tem a dor?

  • Início agudo? É recente?

  • Súbito? Insidioso (foi aumentando num curto ou longo período)?

  • Está igual desde o início? A dor se modificou de alguma forma? Piorou progressivamente?

  • Se piorou, há quanto tempo?

  • Qual o local da cabeça? Unilateral? Bilateral? Parte da cabeça ou cabeça toda? Tem irradiação para alguma outra região (pescoço, face, olho)?

  • Quais os outros sintomas e sinais que acompanham a dor? Por exemplo: náuseas e ou vômitos, piora com a luz e ou barulho, piora com certos odores, piora com exercícios, tonturas, presença ou não de desmaios, aumento na sensibilidade do couro cabeludo, presença ou não de febre, formigamentos ou alteração de visão precedendo a dor

  • Qual a duração da dor?

  • Qual a frequência? Quantas vezes por mês ou por semana? É diária? Contínua?

  • Fatores precipitantes, como por exemplo: nervosismo, jejum prolongado, dormir pouco, dormir mais do que o habitual, período pré-menstrual, certos tipos de comida e certos tipos de bebida, mudança brusca de temperatura, uso de certos medicamentos, retirada abrupta de certos medicamentos.

  • Doenças crônicas em tratamento ou presença de sinais e sintomas de outras doenças ainda sem diagnóstico (agudas e crônicas).

  • Antecedente familiar de Enxaqueca e outras doenças.

  • Estado emocional do paciente, em decorrência de situação familiar, emprego, conflitos, higiene do sono, tipo de alimentação.

  • Exame físico geral: para avaliar se a cefaleia é resultante de alguma doença clínica sistêmica ou da região da cabeça e pescoço.

  • Exame físico neurológico: avaliar alguma anomalia no sistema nervoso, que requeira um exame mais específico.

Após analisar todos estes dados, o Médico especialista pode finalmente fazer a Hipótese Diagnóstica, levando em consideração as mais de trezentas causas de cefaleia.

Exames de imagem, de sangue, urina e liquor serão solicitados, no intuito de descartar outras doenças e confirmar a Hipótese diagnóstica.

Geralmente não há necessidade de exames subsidiários para a confirmação de Enxaqueca. Mas estes devem sempre ser realizados no caso de dúvida.

Ao procurar um especialista, procure oferecer as informações acima, da melhor forma possível, pois o diagnóstico será muito mais rápido e menos exames serão necessários.

Acompanhe as nossas publicações! A cada semana, um Post sobre cefaleia!

Iniciaremos com as Cefaleias Primária: Cefaleia Tipo tensional Crônica, Enxaqueca, Cefaleia Crônica Diária, Cefaleia em Salvas, Hemicrania Paroxística, Cefaleia em facadas

#CefaleiaPrimária #Dordecabeça #Enxaqueca #bemestar #cuidado #Neurologia #dordecabeça

28 visualizações

Horário de Atendimento:

De Segunda a Sexta-feira

das 08:30 às 17:30hs

(11) 3051 2543

(11) 94120-6103

Localização:

R. Desembargador Eliseu Guilherme, 200

Cj. 601/603 - Edifício Paese Salsano - Paraíso - São Paulo  SP - CEP: 04004-030

Dr. Eloy Rusafa -  Todos os direitos reservados. © 2016