Entenda a

Hérnia de Disco

A coluna é formada por um empilhado de ossos e entre eles, uma estrutura que absorve os impactos e permite o movimento chamado disco intervertebral. O sangue chega no disco indiretamente, estando este sujeito a degeneração por perda de água e nutrientes. A degeneração deste disco leva a perda de altura e eventual saída do conteúdo gelatinoso do disco em direção as raízes ou à medula, provocando um processo de inflamação nestas raízes ou medula e levando o paciente a apresentar sintomas de dor, formigamento e/ou diversos graus de comprometimento dos movimentos.

 

Na região lombar, tal hérnia provoca um quadro de dor em membros inferiores e lombar, na raiz correspondente a compressão. O quadro de degeneração do disco sem hérnia pode levar a um quadro de dor lombar isolado, sem dor na perna.

 

Na região Cervical (pescoço) a hérnia causa um quadro de dor no pescoço e no braço. A dor no braço obedece a distribuição da raiz corresponte que está sendo comprimida.

 

Para determinar a causa da dor do paciente, é realizado uma combinação dos seguintes três passos:

  1. Revisão do histórico médico do paciente

  2. Um exame físico completo

  3. Um ou mais testes diagnósticos (se necessário)

 

Um diagnóstico clínico centra-se na determinação da causa subjacente de um paciente com dor nas costas ou no pescoço, dor nervosa, ou outros sintomas. Existem quatro etapas para se chegar a um diagnóstico clínico:

  • Exame físico. Dependendo dos sintomas do paciente, um exame físico pode incluir um ou mais dos seguintes testes:

    • Função nervosa em certas partes da perna ou braço. Este teste envolve tapar áreas específicas com um martelo de reflexo. Se o doente tiver pouca ou nenhuma reacção, é possivelmente indicativo de uma raiz nervosa comprimida na coluna vertebral.

    • Força muscular. A fim de obter uma melhor compreensão de se a raiz do nervo espinhal é comprimido por uma hérnia de disco, o médico provavelmente irá realizar um exame neurológico para avaliar a força muscular. O médico também pode pedir ao paciente para se despir parcialmente para ver os músculos, especialmente para determinar se há atrofia muscular, espasmos ou movimentos anormais.

 

  • Dor com palpação ou movimento. Palpando (tocando) certas estruturas pode dar alguma idéia do que realmente está gerando dor. Por exemplo:

    • A dor sobre a articulação sacroilíaca - na parte inferior da coluna vertebral - à palpação pode indicar que o paciente tem disfunção da articulação sacroilíaca.

    • Dor com endireitar a perna pode ser indicativo de um nervo comprimido.

    • Dor com pressão na região lombar pode indicar dor de um disco degenerativo.

 

Revisão de sintomas específicos. Uma revisão completa dos sintomas irá incluir a localização da dor, uma descrição de como a dor se sente (como searing vs maçante ou achy), e se certas atividades, posições ou tratamentos fazer a dor se sentir melhor ou pior.
 

Revisão da história médica. Um histórico médico completo é importante para excluir (ou identificar) outras possíveis condições que podem causar a dor do paciente. A história inclui informações como quaisquer problemas de saúde recorrentes, diagnósticos anteriores, tratamentos e cirurgias passadas, reações a esses tratamentos, medicamentos atuais, história familiar de doença e quaisquer outros problemas de saúde.

 

  • Testes de diagnóstico. Após a formação de uma opinião sobre a causa da dor do paciente, um teste de diagnóstico pode ser ordenado para confirmar o problema do disco e / ou para obter informações adicionais, tais como a localização de um disco hérnia e raízes nervosas impinged. Os testes diagnósticos podem incluir:

    • Tomografia computadorizada. Os exames de tomografia computadorizada (CT) funcionam como raios-X em que um raio-X é disparado através do corpo, com um computador reformatando a imagem em seções transversais da coluna vertebral.

    • Exame de ressonância magnética. Ressonância Magnética (MRI) permite aos médicos uma avaliação sensível e precisa dos nervos espinhais e anatomia, incluindo o alinhamento do disco, altura, hidratação e configuração.

    • Discograma. Se a cirurgia para a dor do disco é considerada, alguns profissionais podem recomendar um discogram com o objetivo de confirmar qual disco é doloroso. Neste teste, o corante radiográfico é injetado no disco, com a crença de que um paciente está sofrendo de dor no disco (doença degenerativa do disco) se o corante injetado recria a dor normal. Este teste é controverso quanto a saber se é ou não um teste válido e preciso, e muitos médicos não usam a discografia, exceto em situações raras.

 


É importante notar que os resultados em uma ressonância magnética, ou outros exames de diagnóstico, não são por si só um diagnóstico de hérnia de disco ou disco degenerado. Muitas pessoas com idade de 30 anos terão algum nível de problema do disco, mas poucos terão a dor associada com ele.

Simplesmente, os achados e sintomas de um exame físico do paciente precisam coincidir com a ressonância magnética ou outros achados do exame para chegar a um diagnóstico médico exato.

Só então pode ser prescrito um plano de tratamento eficaz para o paciente, quer se trate de tratamento de um nervo comprimido de uma hérnia de disco, ou de uma doença degenerativa do  disco, ou alguma outra condição.

É importante que o médico faça o diagnostico com precisão sobre a causa subjacente da dor nas costas do paciente e outros sintomas, uma vez que o diagnóstico dita as opções de tratamento.

Por exemplo, tratar uma hérnia lombar disco não vai trazer melhora ao paciente, se uma tensão muscular ou outra lesão do tecido mole é a verdadeira causa da dor do paciente. Este ponto é particularmente importante para os pacientes que podem estar considerando algum tipo de cirurgia.

A cirurgia pode ser considerada quando os tratamentos não-cirúrgicos, tais como medicação para dor, injeções, cuidados com fisioterapia não forneceram alívio de dor adequado.

Dito isto, a cirurgia da coluna vertebral só pode aliviar a dor de um paciente se a hérnia de disco ou disco degenerado visto na ressonância magnética é a verdadeira causa da dor. Se qualquer uma dessas condições for a fonte da dor, as seguintes cirurgias nas costas podem ser consideradas:

Microdiscectomia para uma hérnia de disco, na qual a porção herniada do disco é removida.

Fusão espinal para doença degenerativa do disco, quando o objetivo é fundir o espaço do disco juntos para remover o movimento.

Deve-se saber que a cirurgia nunca é apropriada nos seguintes casos:

  • Como procedimento exploratório;

  • Quando uma hérnia de disco ou doença degenerativa do disco não é provavelmente a causa da dor do paciente;

  • O paciente tem dor crônica, mas a fonte exata pode ser identificada.



Mesmo prevenindo, caso sinta uma dor aguda persistente na lombar, quadril, nádegas ou parte da perna, marque uma consulta. Lembre-se que a Hérnia de Disco não tratada corretamente, pode virar dor crônica. Em geral, é recomendado medicações para tratar a dor e solicitado um exame específico para fazer o diagnóstico da hérnia. Em alguns casos a cirurgia poderá ser indicada.

voltar

Para prevenir a Hérnia de Disco, é necessário eliminar seus fatores de risco. 

Alguns deles são: 

• Sedentarismo; 
• Excesso de peso; 
• Tabagismo; 
• Musculatura fraca; 
• Prática errada de exercícios; 
• Diabetes 

sintomas:
 

• Dormência e formigamento nas pernas, pés e dedos; 
• Fraqueza nas pernas; 
• Dor ciática; 

• Dor na região lombar; 
• Entre outros sintomas 

 

Para mais informações

Horário de Atendimento:

De Segunda a Sexta-feira

das 08:30 às 17:30hs

(11) 3051 2543

(11) 94120-6103

Localização:

R. Desembargador Eliseu Guilherme, 200

Cj. 601/603 - Edifício Paese Salsano - Paraíso - São Paulo  SP - CEP: 04004-030

Dr. Eloy Rusafa -  Todos os direitos reservados. © 2016