LOCALIZAÇÃO

R. Desembargador Eliseu Guilherme, 200

Cj. 601/603 - Edifício Paese Salsano 

Paraíso - São Paulo - SP

CEP: 04004-030

Dr. Eloy Rusafa -  Todos os direitos reservados. © 2016 

 

Cirurgia Minimamente Invasiva da Coluna

14 Feb 2017

 

Os avanços de hoje na cirurgia da coluna vertebral podem significar uma incisão menor, cicatriz menor, diminuição da perda de sangue e menor tempo de permanência no hospital.

 

É um novo dia na cirurgia de coluna. Os avanços tecnológicos têm avanços no tratamento de condições espinhais utilizando uma técnica cirúrgica minimamente invasiva. Mas não é apenas a inovação que o torna significativo - é o que isso significa para você.

 

Como pode cirurgia minimamente invasiva beneficiar você?

Cirurgia aberta da coluna pode ser a melhor abordagem cirúrgica para a sua condição específica. No entanto, se uma abordagem minimamente invasiva é uma opção adequada para você, então você pode experimentar esses benefícios:

  • Incisão e cicatriz menores

  • Diminuição da perda de sangue

  • Menos tempo de permanência no hospital

  • Menos necessidade de medicação para dor no hospital

 

Como a Cirurgia da Coluna Minimamente Invasiva Difere da Cirurgia de Coluna Aberta?

 

Em uma cirurgia de coluna tradicional aberta, o médico faz uma incisão e retrai, ou puxa, os músculos para o lado para obter uma visão clara da coluna vertebral. O cirurgião pode então acessar e remover ossos doentes ou discos intervertebrais danificados. Com a cirurgia minimamente invasiva da coluna vertebral, os cirurgiões podem atingir as mesmas metas operacionais como um procedimento aberto, mas de uma forma menos invasiva.

 

Como as cirurgias minimamente invasivas são realizadas?

Cirurgia minimamente invasiva pode ser percutânea (através da pele) ou mini aberto (operando através de uma pequena incisão).

 

As fusões espinhais e os procedimentos de descompressão são realizados com ferramentas especiais chamadas retratores tubulares. Durante o procedimento, é feita uma pequena incisão e o retrator tubular é inserido, criando um túnel para a pequena área onde o problema está na coluna vertebral.

 

O retrator tubular mantém os músculos abertos e é mantido no lugar ao longo do procedimento.

 

O cirurgião acessa a coluna usando pequenos instrumentos que se encaixam no centro do retrator tubular. Qualquer osso ou material de disco que é removido sai através do retrator e quaisquer dispositivos necessários, tais como parafusos ou hastes, são inseridos através do retrator.

 

Para ver onde colocar a incisão e inserir o retrator, o cirurgião é tipicamente guiado por fluoroscopia. Esse método exibe imagens de raio-x em tempo real da coluna vertebral do paciente em uma tela ao longo da cirurgia. O cirurgião pode usar um microscópio de operação para ampliar a vista através do retrator.

Ao final do procedimento, o retrator tubular é removido e a incisão é fechada.

 

O que pode ser esperado após a cirurgia?

 

Com a cirurgia minimamente invasiva, os pacientes podem ter menos tempo de permanência no hospital. O tempo exato varia com cada paciente e procedimento individual.

 

Para ajudar na recuperação, o cirurgião pode recomendar exercícios específicos como parte do plano de tratamento pós-operatório.

 

Quais são os riscos que podem ser associados com cirurgia de coluna minimamente invasiva?

 

É importante lembrar que, embora cirurgias da coluna vertebral pode ser feito usando uma técnica minimamente invasiva, ainda é uma cirurgia, e, portanto, não estão livres de risco. Os riscos potenciais associados à cirurgia incluem complicações de anestesia, coágulos de sangue, reações alérgicas e efeitos adversos devido a problemas médicos não diagnosticados, como a doença cardíaca silenciosa. Podem ocorrer lesões nos nervos e nos vasos sanguíneos.

 

Além disso, durante a cirurgia de coluna minimamente invasiva, o cirurgião pode ter de se converter em cirurgia aberta, se as circunstâncias o exigirem.

 

Se você tem uma indicação cirúrgica, converse com o especialista em coluna para estudar todas as opções de tratamento e possíveis complicações.

Please reload

Veja mais:

Neurinoma do Acústico: Causas e Sintomas

19.04.2017

1/5
Please reload

Please reload

Categorias: