• Dr. Eloy Rusafa

Esperança de novo tratamento para a doença de Huntington


Pesquisadores do Instituto Karolinska na Suécia e da Universidade do Sul da Dinamarca conseguiram produzir análogos de DNA sintéticos curtos - oligonucleótidos - que se ligam diretamente ao gene que está mutado na doença de Huntington e impedem a produção de uma proteína que danifica as células nervosas. A descoberta, publicada na revista Nucleic Acids Research, abre o caminho para novas abordagens para o tratamento da doença neurodegenerativa atualmente intratável e mortal.

A doença de Huntington é uma devastadora condição hereditária que produz uma combinação de sintomas neurológicos, motores, cognitivos e psiquiátricos. É causada pela repetição múltipla no genoma de uma sequência de DNA específica (CAG / CTG) no gene HTT, que codifica uma proteína chamada huntingtina. A proteína e o RNA mensageiro (ARNm) formados pelo gene mutado danificam as células nervosas do cérebro e as fazem degradar.

Tratamentos atuais apenas aliviar os sintomas, como não há nenhuma maneira de parar a progressão da doença. No entanto, os pesquisadores estão olhando para um processo chamado terapia antessentido, em que curto análogos de DNA sintético - oligonucleótidos - ligar e inativar mRNA para evitar que a formação de proteínas nocivas.

"Levamos este passo adiante e criamos oligonucleótidos que se ligam diretamente à sequência de DNA danificada e bloqueiam a produção de mRNA e proteína", diz Edvard Smith, médico sênior e professor do Departamento de Medicina de Laboratório do Instituto Karolinska. "Muitos pensaram que era muito difícil atingir o ADN de cadeia dupla, mas temos demonstrado que ele realmente funciona."

Os oligonucleótidos curtos compreendem uma combinação de ADN e LNA (ácido nucleico bloqueado) e ligam-se à sequência CTG repetida no gene HTT. Quando os pesquisadores os entregaram em linhagens celulares de pacientes com doença de Huntington, observaram uma redução substancial na produção de mRNA e proteína. O próximo passo será testar o método em camundongos.

"Estamos bastante confiantes de que isso também funcionará desde que nossos oligonucleotídeos foram retomados espontaneamente pelas células", diz Smith. "A ideia é administrá-los no líquido cefalorraquidiano."

Terapia antessentido não é em si um método novo ou não testado. Os primeiros fármacos baseados em oligonucleótidos foram aprovados em 1998 para o tratamento da infecção por citomegalovírus e, recentemente, em dezembro de 2016, foi aprovado um outro nos EUA para atrofia muscular espinhal.

#doençadeHuntington #cuidado #bemestar #saude #neurocirurgia #neurologista #Neurocirurgião #Neurologia

239 visualizações

Horário de Atendimento:

De Segunda a Sexta-feira

das 08:30 às 17:30hs

(11) 3051 2543

(11) 94120-6103

Localização:

R. Desembargador Eliseu Guilherme, 200

Cj. 601/603 - Edifício Paese Salsano - Paraíso - São Paulo  SP - CEP: 04004-030

Dr. Eloy Rusafa -  Todos os direitos reservados. © 2016